O Brasil é o país com o maior número de mergulhadores da América Latina, estima-se que há 500 mil certificados. Mas antes de se aventurar, o ideal é consultar um médico e passar por um checkup, pois é um esporte que exige maior capacidade cardiopulmonar do organismo. O simples despreparo físico é capaz de colocar o mergulhador em uma enrascada no mar.

Algumas condições clínicas específicas (e comuns) como asma, rinite, obesidade, diabetes ou ansiedade necessitam de um direcionamento especial que só um médico do universo do mergulho é capaz de dar, por saber como ninguém todas as mudanças que acontecem no corpo quando submetido às diferentes pressões atmosféricas.

Cuidados com:

  1. a)  Pulmões
  2. b)   Ouvido e seios da face: 
A congestão provocada por resfriado, gripe ou alergias pode afetar a equalização da pressão e resultar em danos denominados barotraumas.
  3. c)   Vacinas e orientação para viagens
  4. d)  Melhora de performance
  5. e)   Redução de consumo de ar

Antes de viajar: Consulte um médico de mergulho. Se informe sobre as vacinas e cuidados com comida, água e insetos. Em alguns lugares de mergulho a assistência médica é muito distante ou precária. Se cerque de todas as informações necessárias para se proteger de doenças e diminuir as chances de adoecer durante a viagem.

Inimigos do mergulhador:

Viajantes de Mergulho têm risco de adquirir doenças de três fontes:

  1. a)   Alimentação: Diarreia é a doença mais comum que aflige os mergulhadores e é causado através de comida e água que contém bactérias diferentes as quais o corpo está acostumado.
  2. b)   Picada de inseto: Doenças transmitidas por insetos são um problema sério para todos os viajantes:

–       Febre amarela –  endêmica na América Central, parte da América do Sul e partes de África equatorial. Não só a vacina é recomendada para visitar essas regiões, como obrigatória para países que não têm febre amarela.

–       A Malária é uma doença parasitária levada pelo mosquito infectado encontrado no mundo inteiro. Há vários tipos dos parasitas de malária, cada um resistente a drogas antimaláricas diferentes. É importante usar a profilaxia certa para o país que você está visitando.

  1. c)   Parasitas aquáticos: Em alguns países existem parasitas de água doce que penetram pela pele, entram na circulação sanguínea e podem causar erupção cutânea, febre alta, calafrios, enxaqueca, tosse e glândulas inchadas. Sem tratamento, pode conduzir à cirrose do fígado, câncer de bexiga e anemia em médio e longo prazo. A doença é de fácil tratamento, desde que diagnosticada corretamente.

*Sempre fale para seu médico se  desenvolver uma enfermidade logo após uma viagem de mergulho.

Veja também: